O Positivismo Espiritual e a depressão


A realidade dos nossos dias é a depressão, a indiferença, a solidão, o sofrimento e apatia.

Todo nós cruzamos caminhos negros, temos momentos de dor e sofrimento. A solidão afoga-nos em tristeza e a indiferença de quem está perto, amigos ou família, leva-nos à depressão. O ser humano ter particularidades distintas dos animais, enquanto estes lutam desesperadamente pela sobrevivência, nós os humanos desistimos na maior parte das vezes. Porque somos diferentes e ao mesmo tempo iguais, procuramos meios que nos ajudem a levantar o ânimo e nos ajude a fazer desaparecer o desespero.

O recurso à medicina química acaba sempre por ser a solução, no entanto as causas, aquilo que leva as pessoas ao desespero, mantêm-se, continuam. Os sintomas são ofuscados pelos químicos e a realidade fica toldada e substituida por outra.

A medicina tem e terá sempre um papel fundamental na existência da humanidade, porém, apesar dos esforços da ciência, ainda mal se consegue vislumbrar o âmago do espírito humano.
Tal como as impressões digitais, não há duas mentes iguais. Por isso a depressão nas suas múltiplas facetas acaba por não ter correspondência com uma medicação em particular, porque os medicamentos não atingem o espírito apenas o toldam.

O Positivismo Espiritual é um manancial de conceitos que abraça de forma global os receios, os medos, os temores, as dúvidas, as angústias, a solidão, a apatia, a indiferença e acima de tudo a vontade que cada ser humano tem em se querer redimir, o querer avançar para novos objectivos, ir mais além.

O Positivismo Espiritual estimula o contacto e a desinibição. Liberta o ser humano dos obstáculos mentais que o inibem de ser criativo. Permite o encarar do futuro sem receio. Ajuda a tomar decisões por vezes difíceis. Cria uma aura positiva envolvente do ser, libertando o espírito.

Castro Dias